sábado, 8 de novembro de 2008

Carta a prezada senhora, minha mãe.

Mãe, preciso ir. Já me esperam. O destino cansou de esperar por mim e agora terei que ir pelo e com improviso. A vida não é bagageiro, passou a ser minha carona. Não tenho mais 10 anos e o fato de você me acordar todas as manhãs pontualmente, me irrita um pouco se você quer saber. Acho tão adulto se atrasar ao trabalho. Também já sou grande o suficiente para buscar as toalhas e sei me virar na cozinha. Pouco, mas vivo bem. Que saco, eu preciso andar. Não posso mais ser atalho nem objeto de posse. Quero uma vida pessoal sem chefe de segurança. Quero chegar as 5 e não ouvir você dizer que ficou me esperando e ouviu meus passos pela calçada, até mesmo porque nós dois sabemos que isso é mentira. Que eu cheguei as 5 e que você me esperou.

Confesso que já peguei carona com estranhos e estou vivo. E também bebi naquela noite. Não é fácil viver numa gaiola. Liberte-me. Deixei-me ser um pouco mais eu, e não o espelho do que você quis ser um dia. Procuro e sou um risco de pessoa. Mas isso você não precisa saber. Quero só liberdade de poder pensar e agir ( e errar e não admitir), sozinho. Esse seu costume de deixar recados na geladeira, me irrita. É óbvio que eu sempre chego em casa. E que não vou te ligar pra lhe dizer onde vou. Eu quero ir, eu sou uma rota sem direção, deixa rolar, não dá pra viver tão previsivelmente. E uma última coisa: prepare minha marmita amanhã, por favor. Estou sem dinheiro.


Guilherme Vilaggio Del Russo

4 comentários:

Clara Mello. disse...

já li todos os textos que tem aqui... e venho aqui todo dia pra vê se tem algum novo!
é impressionante como tem um texto pra cada momento/dia da minha vida *.*

também arrisco escrever algumas coisas,
se um dia tiver tempo e vontade visite meu blog.
vai ser uma honra receber uma visita de vocês! (:

enfim, um abraço.

anna disse...

Ah, pq eu demoro tanto pra conhecer blogs assim?
Enfim,
estou pensando em enviar uma carta pra minha mãe avisando sobre quase a mesma coisa, mas de uma forma que ela não enfarte,rs.
Adorei os textos daqui, são inteligentemente gostosos de se ler.
Beijos, voltosempre.

Fe disse...

Brilhante, parabens

Anônimo disse...

necessario verificar:)