sábado, 25 de outubro de 2008

Só você.

Não sei dizer se você é minha. Muito menos se um dia você foi minha.Só sinto em ser e sentir isso. Que é novo e forte, que é 8 ou 80,que é a alegria pela manhã, o sorriso do telefone, e a incerteza de amanhã.Confesso que as noites, me pego ensaiando o que vou dizer pela manhã. Se eu for dizer, eu digo.Da mesma maneira que quero agarrar o telefone e falar com você durante horas, me seguro e me faço acreditar que isso é impossível. Talvez você nem queira. E eu não deva. O amor é assim mesmo. A gente sente, mas finge.

Obviamente, se a minha força de vontade de estar contigo fosse igual a tua, não seríamos um par. Na verdade, ímpar é esse seu jeito de me cativar e de transmitir uma esperança de dias bons, dias de amor, enfim, dias da reconquista de quem já está com você por um tempo. Só isso que eu queria. Você, sozinha, acompanhadade um copo de martini bem gelado, só pra sair da rotina. Não pelo martini, mas por você, estar sozinha.
Eu amo o presente. E tenho medo do futuro.

Guilherme Vilaggio Del Russo

Um comentário:

Juh disse...

Puxa...