segunda-feira, 14 de outubro de 2013

o lápis da vida

faz algum tempo que tenho andado por aqui. Sem desejar muito. Sem esperar tanto. Muitos círculos, pouca velocidade. Apareço em poucas histórias e pouco tenho feito para construir as minhas. Parado no meu trânsito imaginário. Me esforço em comprar livros que não leio. E me esforço ainda mais para buscar razões para isso. Não tem sido fácil. Acho que faz parte da natureza humana o boicote a si mesmo. Até porque, o que pode ser pior que o sentimento de fracasso ao final? Talvez a incerteza do começo, vai saber. E assim, meio que na banguela, eu opto pela auto piedade. E pela rotina.

o dia em que as coisas vão pelos ares está ali, me esperando. A coincidência fica pelo fato de eu também estar esperando por ele. Inimaginável não pensar nesse encontro. Tenho tantas ideias, tantas vontades. E também preguiça. Não são poucas as vezes que vejo um apontador em cima da minha mesa. Só me falta a coragem para recomeçar a escrever.

Guilherme Vilaggio Del Russo

7 comentários:

Ju (Dory) disse...

Não importa quando recomeçar, sempre vai ter alguém pra ler!

Helena disse...

Quem espera demais, às vezes, se decepciona na mesma proporção. De qualquer forma, eu ainda prefiro ser otimista. ;)

luisa disse...

É mt bom ter você de volta a escrever ! Gosto mt dos seus textos, use mais esse seu talento !

Antônio Fernandes disse...

Olá Guilmerme,

Faz tempo que lhe escrevi e hoje é impossível não deixar minha impressão. Dias ruins imagino.
Queres um idéia, pois opiniões são as nossas. COMPRE UMA MOTO e vá viajar. Quem sabe ela [a moto] lhe coloque como parte da paisagem e não longe dela. Um forte abraço.

Antônio Fernandes disse...

... para finalizar. Isso ajuda a apontar o lápis.

sempre em 4ª disse...

http://sempremquarta.blogspot.pt

Anônimo disse...

Cara, achei impressionante como essas suas palavras conseguiram me atingir, sou eu isso tudo que escreveu, acabei de sair de um espetáculo que questiona o amor contemporâneo e sabe aqueles dias em que tudo parece que é pra vc, todos acontecimentos se direcionam para o seu ser. Super me vi no seu post, e me inspirou a escrever em um caderno de artista que tenho de uma disciplina da faculdade de teatro. Mas valew, abraços.

Rmoura