segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Querido Papai Noel...

pra ser bem sincero, não sei se fui um bom menino este ano. Portanto, vou desabafar em algumas linhas, entre ações e sentimentos, para que você tire suas próprias conclusões e me entenda. Tenho tanto coisa pra realizar, mas acho que me falta oportunidade. De ser e mostrar. Vi a morte e a vida de perto. Confesso que fui motivo de choro, mas também provoquei risos. Irônicos e de alegria. Vi meu futuro nas mãos de todos. Aliás, faço parte deste todo que não vive, apenas se aguenta. Como diz o poeta, "de um povo heróico, brado, retumbante...". Fui alvo de piadas, sujeito de mentiras, oração de noite, retalho de vidas. Nunca desisti do ato de lutar, por si só. Sou reconhecido por não vencer muitas, mas brigar sempre. Muitos são aqueles que tentaram me derrubar, mas, adiantando-me, digo que foi em vão. Sei bem que sou a solução de muitos. Mas antes, sou a esperança de todos. E por isso minha obrigação de me manter em pé.

Gostaria de pedir somente duas coisas. Aliás, na verdade, gostaria de simplesmente não pedí-las, pois elas já deveriam existir sem muita insistência de minha parte: paz e igualdade. Em gênero, número e grau. Cansei de ser sonho e, definitivamente, quero ser realidade. Papai Noel, que eu nunca mais deseje. Que eu, simplesmente, "seje".

Ass: Brasil


Guilherme Vilaggio Del Russo

3 comentários:

Clara Mello. disse...

você é o cara (:

um beijo, Gui!

Ju disse...

=) às 6 da manhã... o inconveniente me acorda à noite, a inconveniente vem ler as 6 da manhã!! rs
Mas muito bom Gui! Mesmo... Conviver contigo dá vontade de mudar o mundo! rs

Anônimo disse...

Aposto que o Shiro leu e não gostou do que vc escreveu, né?rs
Gostei muito das suas palavras. Bem sacado.
É um artista nato!!!!

Bjinho.
Erika