quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Pai nosso, que estás na esquina.

A décima-primeira peste. Algo que se espalha na velocidade da luz, com a intenção de levar-nos até a mesma. Em toda esquina, em cada ex-bar, uma fé que só muda de nome. As mentiras são as mesmas. Enriquecimento barato em cima da humildade da reza. Não importa se estás de joelhos, mas se estás disposto a abrir mão do seu sustento, daquilo que você reza para não perder em vão. Peço que, se alguém que olhe por nós esteja aí em cima, que peça para aqueles que acreditam tão piamente em ti, que acreditem ainda mais em si mesmos. Somos capazes de enfrentar sozinho o que vier. E de cuidar daquilo que, por sinal, ganhamos com suor. O peso nas costas é o mesmo que o dEle, só muda o objeto levado por ela.

Nunca fui de acreditar a primeira vista e não vai ser agora que, esses falsos pregadores de esperança, vestidos de terno vão me fazer desistir de mim e jogar na mão de Deus.Qual dos deuses? Aquele que converso todos os dias como amigo ou daquele inventado por discursos capitalistas que faz do Céu um open-bar de felicidade mediante pagamento? Uma mão que deveria oferecer ajuda, mas que só pede cheque calção para a redenção. Até quando vamos nos deixar enganar por gritos que chamam quem deveria estar perto? Até quando nos colocaremos em segundo plano e nos cegaremos para um fanatismo que não abre mares, mas sim sua conta bancária? A fé que deveria mover montanhas, movendo milhões. De dinheiro. Por Deus, de onde vem essa fé?

Guilherme Vilaggio Del Russo.

3 comentários:

Bruna disse...

Pois é raro..... incrivelmente em pleno século XXI, muitas pessoas ainda preferem acreditar na palavra de outro a acreditar em si mesmos, em sua própria fé... Eu acho q ao invés de pregar o fanatismo e o dízimo, deveria ser pregado a fé em sua mais pura essência, acreditar em Deus sim (ou vários dELES), mas seguir em frente com forças que vem de dentro de nós mesmos, afinal acho q o Ser superior ficaria imensamente feliz se visse a raça humana se encher de auto-valorização, auto-confiança, auto-estima...... Sim os valores passados por nossos pais e das religiões tbm seria levado em conta, afinal não poderíamos viver no caos sem o mínimo de condutas corretas a seguir, mas antes de tudo acreditar em si mesmo, em seus próprios passos!!!
Fé é essencial tanto nas horas boas quanto nas ruins, mas fé não significa gritar por alguém que com certeza ouve até nossos sussuros... Basta pensar e acreditar que o cara lá de cima estará olhando por você!!! Como todo bom Pai, ele não quer seus dinheiro ou sua devoção sem medidas, ele quer ser um bom camarada pra dividir momentos, angústias, agradecimentos, e com toda certeza te receberá de braços abertos em toda e qualquer situação sem precisar de favores ou convites pra entrar na sua casa...

Mais uma vez, adoro seus textos, embora esteja comentando super pouco sobre eles ultimamente!! Sorry....
Lembre-se: seus textos tocam a minha alma!!!

Bjossss

**Bruna** disse...

De onde vem essa fé?

A pergunta que não terá resposta nunca.

Acridito bem mais na fé que agradece todos os dias por mais um dia de vida, e que o tem como amigo!

Tanto tempo que eu não passava por aqui...

saudade Guuuiiii...

Beijoo*

Bru* (Zuquer)..rs

Leonardo Aguair disse...

Não sou dos mais religiosos, tão pouco cético. Mas sou um grande fã e admirador da vida (ou das histórias) de Jesus Cristo (seja filho de Deus, ou só um lider de grandes atitudes).
Se bem me lembro e não me engano, Jesus Cristo disse: A verdadeira igreja está dentro de nós.
Dito isso, essas igrejas que vemos e conhecemos hoje, na minha opnião, são apenas escritórios de uma grande organização.

Gui, assim como a Bruna, gosto muito do seu blog, está no meu favoritos e também no recomendados do meu blog, sempre passo aqui, mas acho que é a primeira vez que comento.

Parabéns (Filhão rs).