quarta-feira, 26 de março de 2008

Me traz e faz tonta

Um cara passou pela gente e os espasmos, espasmos que eu não sentia dentro de mim ficaram naquela rua. A calçada dizia seu nome junto dos faróis dos carros. Eu não sei se aqui dentro, mas o conhaque, a cerveja, os tragos e a fumaça tinham a sua forma. Tudo pedia você. Aquela cidade, talvez aquele estado, ou até mesmo o meu estado. Mas minha coragem sempre de covarde me distancia do que eu nunca tive, e sempre - desde que acordei liberta - quis você.Das maiores dúvidas que moram em seus dedos eu lapidei a minha certeza, seja aqui, alí, hoje ou sempre. E cada vez mais lentamente meu cérebro, meus neurônios, e as células de todo o meu corpo giravam para fazer dos planos lembranças de coisas que ainda estavam por vir. Parece sempre que solto o mesmo som, que escolho a mesma marca para os diferentes passos que ressoam nossos atos. Não vou correr com medo ofegante de me cansar, mas descanso no cheiro que nunca senti, nas músicas que nunca ouvi, nos beijos que nunca dei. Mesmo em dimensões contrárias é você quem me traz e faz tonta.

Milena Lieto Samczuk

Um comentário:

Adriane disse...

Que texto hien!?
poxa vida..qm diria!!
mtoo bom!!

Gostei muito...=]
Na real!
Sabado ou domingo estarei la mais uma vez!
BjaoO