sábado, 31 de janeiro de 2009

Substituindo champagne por cerveja

Olha lá ele, subindo as escadas de novo. Parece meio exausto. Olhar meio distante, andando devagar para se andar adiante. Um rosto barbado, uma alma de garoto. Costuma esconder as constantes discussões que tem no trabalho, com este sorriso discreto. Provavelmente ele saiba que hoje é mais um dia comum, que terminará em casa, lá pelas 11 e meia. E que também não consiga ficar acordado no sofá. Mas insiste em perguntar qual a programação do dia. Todos os dias são iguais. Deve ser um fardo pra ele, logo ele, tão agitado. Cuidar do próprio futuro já é o bastante, mas ele sempre quis ir além. Quantas vezes não abriu mão das noites estreladas dos sábados para diversão alheia. Só não abre mão do mate quente e do mais tradicional ainda, jogo noturno às quartas-feiras. Perfecionista, deve estar se perguntando se a torneira do banheiro estava fechada pela manhã. Ou talvez, simplesmente, se tudo está bem. Sempre foi um cara que pouco demonstrou, mas que sempre sentiu. Aquele que buscava a alegria própria somente se a alegria estava nos outros. É como vestir a roupa de palhaço todos os dias mesmo não querendo. A vida deve dar poucos prazeres a ele hoje, mas pode crer, não é por falta de procura. Sofrendo do mal hereditário de abraçar e querer ser todo mundo. Isso inclui ser eletricista. Ninguém liga. É só ele continuar sendo este abraço gostoso e esse olhar de orgulho. Pegue 2 cervejas no freezer e abra a porta...
- Feliz aniversário, pai.

Guilherme Vilaggio Del Russo

Um comentário:

Ju disse...

rs... a idéia era enganar. OK. Eu adorei. Bonito Gui. =*